11 de junho de 2008

Peixe amazônico dizima espécies do Pantanal


Tucunaré invadiu ecossistema há mais de 20 anos após rompimento de tanque de criação

João Naves de Oliveira, CAMPO GRANDE

Carnívoro, de apetite voraz e protetor exemplar de seus alevinos (filhotes), o tucunaré está dizimando os peixes nativos do Pantanal de Mato Grosso do Sul, na região de Corumbá.

A espécie, proveniente da Bacia Amazônica, está tomando conta dos rios pantaneiros, onde chegou na década de 80, depois do rompimento de um tanque com milhares de filhotes que estavam sendo criados em uma fazenda nas proximidades dos rios Itiquira e São Lourenço.

Enquanto os peixes nativos da região fecundam sob a água e deixam os alevinos relegados à própria sorte e à mercê dos predadores, o tucunaré faz ninho em pedras dos fundos dos rios, garantindo assim maior número de sobreviventes.

Esse procedimento fez aumentar a população desse tipo de peixe em detrimento da nativa, segundo o secretário de Meio Ambiente de Corumbá, Ricardo Eboli. Pesquisas indicam um crescimento vertical dos cardumes nos rios da região, onde o tucunaré se alimenta de peixes grandes e pequenos, até mesmo de insetos que caem na água.

Os alevinos de tucunaré recebem proteção dos “pais” até atingirem cerca de 5 a 6 centímetros. Grandes cardumes, quando atingem a idade mais segura, percorrem os rios em busca do melhor local para viver, especialmente onde exista densa vegetação.

PESCA CORRETORA

Eboli informou que até o final desta semana será assinado decreto liberando a pesca do tucunaré no Pantanal de Corumbá. “A medida pode ser considerada ecológica, já que estimula a captura de uma espécie nociva ao ecossistema local e por outro lado tem o benefício de reduzir a pressão dos pescadores sobre os peixes nativos.” O decreto passará a ser praticado 30 dias após sua assinatura.

A providência acabou sendo adotada com base em informações de pescadores profissionais e amadores e de pesquisadores da Embrapa Pantanal.

Ainda está em discussão a quantidade de pesca que será autorizada para a região.

A tendência é permitir ao pescador profissional a mesma quantidade (400 quilos por dia) autorizada de pesca da espécie nativa com o peso mais próximo ao do tucunaré. Para os amadores, o limite seria de 20 kg/dia.

“O que já temos certeza absoluta é de que o tucunaré é um invasor e como tal pode alterar o ecossistema, provocando danos imprevisíveis. A partir desse ponto, estamos ainda dependentes de um estudo para contornar essa situação”, explicou Eboli.

2 comentários:

Gárgula disse...

Além da pesca direcionada ao peixe existe alguma outra opção para a diminuição da sua população?

Acidentes ambientais como este devem acontecer com alguma regularidade não?

Carol Coelho disse...

Oi Daniel

Este é um dos problemas ambientais que temos na maior planície inundável do mundo: o Pantanal.

Caça, pesca predatoria, , desmatamento, além do mexilhao dourado que é um molusco que veio no lastro dos barcos asiaticos e hoje se espalha pelos rios da planicie pantaneira e do Brasil. Nao tem predadores aqui, os peixes que se alimentam dele morrem pois a casca é muito afiada e corta o intestino dos bichos, alem dos impactos economicos tambem. Vou fazer uma postagem sobre o assunto, que merece destaque.

Bom dia e Feliz dia dos Namorados!!!
Carol